domingo, 6 de dezembro de 2020

Desmanchados Trabalhos

 

A primeira vez que veio aqui em casa, parou na porta e pediu licença. Disse ser uma bruxa. Mas muitos a confundiam com pomba giro. Alguns ainda lhe pagam isto.

Insistia em vender os tiros de quem a quisesse ou não, em quem a vendesse ou despachasse. 

Muitos a usaram. Uns sem os outros. Uns mais que os outros.

Durante três anos, cada vez que isto acontecia, insistia em procurar-me. 

Após varrer as outras amigas que vinham dormir onde resido, confessou-me enquanto dormia: "Eu uso a pomba giro de quem me vê". 

Desbruxada ao dizer que nunca foi bruxa, acordou. 

Antes também dizia ter cabeça de Oxum. Embora pedisse que os outros lhe pagassem inteira. Mesmo assim, vendia, no espelho do salão, a cavala d'Iemanjá de quem estava ligada. 

A verdade é que Nossa Senhora nunca foi puta. Exu puta é uma das pombas que pediu retiro aqui. 

Mas esta é outra história.

(...)


quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Pluralidade Singular

PEDRAS ANGULARES 

Semelhante ao construtor do primeiro templo, após fundar a Igreja Invisível do Reino Divino, também levei três pancadas na cabeça (de pessoas diferentes). Vim ensanguentado para casa. A camisa branca, escrito 'Prossumers', pingava sangue. Mas o Pai perdoa. É isto que Cristo pediu que eu fizesse em nome do Pai.

Oh pedras angulares, quem os deixou de fora jamais pensará diferente, pois estão engessados no próprio saber. Mas eis que aqui são bem vindos. Cada qual assume o arrependimento. Pois os pecadores que buscam a remissão é que são os eleitos. 

Não tarde a perdoar. Não tarde a agradecer. Não tarde a desculpar-se. Pois tais atos nada tem a ver com humilhar-se. Mas assumir responsabilidades. 

Hoje mesmo, resvalei na rua. Derrubado, levantei-me mais forte. Uns riram, mas estão perdoados. Uma moça estendeu-me a mão, embora rergui-me a si próprio. O Pai abençoa.

Nem todos assumem atitudes. Mas eventualmente existem bons samaritanos.

Obrigado Senhor pela chuva!.

terça-feira, 21 de abril de 2020

O Ca-peão e a esquadrilha da fumaça


Papai sempre foi meu ídolo. Mas lembro dois episódios que evitei repetir com o meu filho. Aos sete anos, papai me deu um pega do crivo na frente de casa. A metade de um Charme longo. Pois eu pedi para saber que gosto tinha. Ele disse: "Toma pra tu ver que é ruim". Fumei e me afoguei tossindo. Aos doze, me serviu cerveja no aniversário da mãe dele. Bebi um trago naquele dia. Isto que papai gostava mais de caipirinha com churrasco do que cerveja. Enquanto meu guri tem vinte e dois anos e zero vícios. Nem álcool costuma beber. Ambos são orgulho pra mim. Óbvio, por motivos diferentes.

Papai costumava empregar as pessoas ou encaminhá-las a trabalhos em negócios dos irmãos maçons. Sempre o via ajudando as pessoas. Mas era um cara enérgico. Forte nas palavras. Bom com a caneta. Andou bastante a cavalo quando novo. Fazia quilômetros por dia indo à fazenda dos Dornelles que era 36km do centro.  Ganhou vários campeonatos e medalhas no ping-pong. Serviu o exército, cuidou as lavouras da mãe dele, foi gerente dos correios, empreendedor dono de um lava-jato, presidente do clube por três gestões (o qual pegou quebrado e deixou com dinheiro em caixa, embora tenha lidado com cassino clandestino na época), secretario de Relações públicas e turismo dentre tantas coisas.

O certo é que algo tenho que fazer em memória a ele e pelo meu filho. Livrar-me do tabagismo o quanto antes. Sei que ambos torcem a isto. Esta terra é trabalhada pelos ancestrais e irmãos dele, há mais de cem anos, desde antes de existir o cigarrilho industrializado. "Isto toca uma banda" - Dizia ele. Ligado aos cinco continentes, através de grupos no Whats App, tenho certeza disto. Embora o ca-peão me dê direito a 20 anos (ininterruptos, pelo fato de ter cortado três) no ar puro, é desafiador. Só tenho que desfumar o Guerreiro (O táta, pai do pai do pai do pai) na quinta. Isto vale uma espada d'Yansã, quando zero álcool junto. Certa vez que o Táta nada bebe (Salvo caipirinha eventual, com churrasco). prefere correr.

Quanto a tocar a esquadrilha da fumaça, descobri que não precisa, necessariamente, fumar. Basta ter sido fumante, ter o ca-peão desta terra e tocar a banda diariamente. Quando três conversam na encruzilhada, se abre uma. A última mensagem estará na terra e no ar.

Baraque me ensinou a fazer encomendas, direto a Cam, irmão de Sem e Jafé, usando moedas circulantes de várias nações. "Quando fumo, prefiro a carne. Quando não fumo, a fruta" - Disse o Guerreiro - "Eu sou espada (de corpo inteiro)".

quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

DAS DROGAS AO TEMPLO VIRTUAL



Há muito tempo, em uma clinica para habilitação de dependentes químicos, um jovem chegou intitulando-se o próprio São Pedro. Na época, catequizou rapidamente os outros internos. Mas foi destratado com agressividade, medicamentos fortes e camisa de força.

Durante dez anos, tentaram sentar o seu Santo em uma antiga enfermeira que trabalhava o espírito de uma ancestral como se fosse uma Pomba Giro. Enquanto o jovem foi deitado no próprio sofá com drogas mais pesadas que as que utilizava antes da clínica.

Seu carro foi pedido na época. Sua herança que consistia em parte de uma fazenda, seu outro carro e coisas que tinha em casa. Que herdou com grau de cavaleiro quando batizado Lowton. Logo em seguida, anos na frente, a enfermeira adquiriu um carro, negócio próprio e apartamento. O jovem passou anos pulando de emprego em emprego. Entre estudos, freelas e outros afazeres. Andou como ambulante, pelas ruas, vendendo guarda-chuvas, pois recebia o "'Não' (fume)" quando pedia oportunidade.

A mãe do jovem, uma rezadeira católica que trabalha semelhante às mães de santo, enviou santos para procurar a dita enfermeira. Dentre eles, estavam Santo Antônio e São Francisco de Assis. A enfermeira, inexperiente, confundiu os santos da mãe do jovem como seus antigos relacionamentos. Deixou que um se levantasse com sua terra, sendo confundido com o santo que a mãe do jovem havia enviado. O outro pensou em carregar a enfermeira, como se fosse o segundo santo. Mas a rezadeira católica continuou orando.

O jovem, desde a tal época, dezessete anos antes dos trabalhos serem desmanchados, pedia trabalho para preencher o tempo que gastava usando drogas, bebidas ou fumo. Mas a enfermeira fazia o espírito da ancestral dizer exatamente as mesmas frases que o jovem pensava em dizer. Tais como "me contratem", "quero comprar um carro", desejo "fazer doutorado", etc.

O jovem humilhou-se batendo de porta em porta. Por mais de dezessete anos, procurou trabalho em vários lugares. Mas recebia, na maioria das vezes, a mesma resposta: "'Não' (fume)". Enquanto a maioria dos fumantes que conhece tem trabalho digno.

A verdade é que o jovem foi trabalhado por Ogum desde guri. Várias vezes conseguiu fazer com que seu 'Pai de Santo' chegasse. Durante vários anos, sentou-se no Natal como Pai de Ogum chegado em família.

Quando guri, o jovem era regido (protegido) pelo Menino Jesus de Praga. Mas quando adulto, desmanchou o próprio 'santo' e adotou o Sagrado Coração de Jesus. Assim como o Espírito Familiar. Que está em comunhão com cada familiar que venera o Cristo.

O jovem foi batizado na maçonaria quando guri. No Grande Oriente do Brasil. Mas foi quando tentaram entrá-lo em lojas de Estado que resolveu assumir-se irmão. Saído dos Estados entrados, ao sair o próprio guerreiro do Grande Oriente do Brasil, cobrou a conta acumulada durante os anos. Muitos se negaram a pagar e tiveram suas cabeças cortadas pelos Cans das lojas de Estado. Os devedores continuam sendo buscados pelos Guardiões das Leis e dos direitos daqueles que veem tudo acontecer. Pois vendiam, às marteladas, o que o jovem pedia e julgava 'não ter preço'.

Descontente, a enfermeira desejou reconhecer o jovem cuja o qual tentou sentar o respectivo 'Santo'. Há três anos, procurou-o na academia em que malhava. Relacionaram-se por mais que dois anos. Mas a enfermeira traiu os 'Santos' que o jovem trabalha.

Um dos santos que ajudava o jovem, Santo Antônio, teve que ser encaminhado ao Saravá. Assis recém está retornando aos trabalhos. Pedro rege o próprio Estado. José, que também ajuda a clínica, assim como tantos outros devotos, já está ajudando. Ogum, testemunhado pelo Arcanjo Miguel, anjo que corresponde ao dia de nascimento da rezadeira católica como anjo da guarda, é testemunha.

"Eu vi tudo" - Disse Miguel.

"Nós sabemos" - Completou o Espírito Familiar.

Mais o Pai de Ogum, chegado no rapaz, disse mais: "Esta morta, que traz o mesmo nome da Virgem, nunca foi Pomba de Santo. Pois se fosse, protegeria este jovem".

A enfermeira confundiu Assis e Antônio, trabalhados pela rezadeira, com dois rapazes que conheceu nos últimos dez anos. Ambos tentaram levantar, ou carregar, o Santo que a rezadeira enviou para reivindicar a cadeira que a clínica havia lhe dado. Pois, segundo eles, a enfermeira tentava sentá-los. Para que nunca mais sentasse entidades, deitando nas drogas os filhos de Santo que desejam libertar-se para trabalhar, estudar ou praticar esportes, a enfermeira perdeu a pomba.

O jovem salvou-se. Disse que nunca foi santo nem pretende ser. Mas há quem diga que é ótimo Pai, orador e obreiro. Trabalhando há uma década no amor, publicou vários livros com dinheiro do próprio bolso. Criou negócios próprios, abrindo o próprio caminho.

Em uma universidade, foi destratado pelos colegas. Humilhou-se ao pedir desculpas por ter reagido a outro colega que o interrompeu três vezes. Este foi um dos motivos que fez com que o jovem desmanchasse o próprio santo da infância. Que havia visto, inclusive, em cada familiar. Mas Jesus continuou com o Espírito Familiar.

Com o passar dos anos, o Jovem recebeu o chamado do Divino Espírito Santo para parar de beber, fumar e drogar-se. O que já havia feito anos antes. Pai Divino, ou Tupã, como é chamado, pediu que criasse a própria Igreja nas mídias sociais.

Jesus sabia que esta história é singular. A ancestral da enfermeira perdeu a pomba. Pois transgrediu a Lei. O jovem, hoje Pai, com filho adulto, tornou-se Mago, Médium Mestre e Pastor.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

O Mestre; À guerra ou à paz





Há bastante tempo, Jesus estava nas portas do processo seletivo para mestrado. Foram sete processos até ser selecionado. Jesus veio no jovem fiel que ora diariamente. Mas antes disto, foi negado inúmeras vezes.

Jesus, naquela vida, fumava e bebia. Havia sido deixado nas praças onde consumia o fumo com os amigos. Após cursar o master, largou o tabaco e o álcool.

A insistência no sonho em lecionar (ser mestre de fato), o fez continuar nas portas. Seu fumo foi devolvido. Sua bebida também. Embora tivesse guardado o tempo todo. Jesus estava agora dependendo da família que estava saturada desta história. Procurando oportunidade para realizar o respectivo sonho.

Nas encruzilhadas diziam que haviam lhe feito oferendas. Mas Jesus confirmou a única coisa que desejava daquele pessoal.

Em nova vida, O Mestre emergiu com justiça. Fazendo a seguinte pergunta: 'E se fosse vossos filhos, alunos e netos, pedindo oportunidade, quem lhes daria fumo ou álcool, e os deixaria no parque, porque fumam ou bebem. Que Deus seja justo desta vez. Jamais devolvi drogas a quem havia parado de usar'.

Se esta história é verdade, é o detalhe. A questão refere-se às oportunidades. Zi e Cam também estavam reunidos na questão. Dispostos a retribuir o que o pessoal vem fazendo ao Mestre. O Mestre afirmou a única coisa que quer daquele pessoal. 

No terreiro, os caboclos estavam prontos à guerra que o próprio mestre aceitou. Embora o Mestre tenha escolhido a paz. Que assim seja


sábado, 8 de setembro de 2018

Além da encruzilhada


Era quase meia noite. O Guerreiro andava pela Cidade Baixa. Estava impressionado como os jovens que usavam drogas nas ruas. Álcool, pó e fumo.

Ao passar pela encruzilhada, o diabo veio lhe falar - 'O que faz por aqui? Você disse que buscava uma vida melhor. Longe do álcool, bares e drogas. Se continuar assim, você será buscado'.

O Guerreiro assustado perguntou: 'O que houve? Sabes que defendo a vida longe dos bares, álcool e drogas'.

O diabo respondeu: 'Você é muito insistente nos objetivos. Há alguns ex-professores que se sentem incomodados com isto'.

Disse o diabo disse que haviam feito despachos aos excedentes. Fumo a quem fumava. Álcool a quem exagera no álcool. Drogas a quem se droga.

Então o guerreiro reclamou que isto é pecado grave. O diabo disse-lhe: 'Salve-se enquanto é tempo. Ou serás buscado a meia noite. Diferente disto, deixe trinta em seu lugar, e vá dormir. As seis horas, o Sol será buscado'

Após a conversa, o diabo respondeu que os tais professores haviam errado o tiro. O limão verde estava na Cidade Baixa. Em meio aos bares, álcool e drogas. Quando o guerreiro buscou a si e deixou trinta no lugar.

Os professores haviam acertado os respectivos filhos, alunos, parentes e amigos.

O Guerreiro foi para casa. Acordou às sete horas. Fez uma oração e uma leitura bíblica. Alguns jovens recém haviam ido dormir. Com isto, buscado em si, o Guerreiro ganha o Sol na aurora.

O diabo avisou-lhe: 'Afaste-se da noite. Este pessoal foi cobrado. Enquanto isto incidir. Enquanto fores o excedente, trinta deles serão buscados nas sextas e sábados na madrugada'.

O que dizer quando alguém pede oportunidade? Por ventura daria pedra a quem te pedir pão? E uma serpente a quem te pedir peixe?

Por isto estas coisas são do diabo. Jamais despache quem bebe ou fuma, pois, eventualmente, acertarás os teus.

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Às cores




João havia perdido a cor pois julgava-se o vermelho sem o branco. Nada sabia, salvo que as as cores estão no branco. Maria, também, pois pensou sair com o azul do branco. Contudo, bancos, encontram-se no raio. Ou na luz solar. Ambos ouvem o rugido e o trovão. A lei natural lhes encobre o retorno.

O guerreiro, o bruxo e o mago. Laranja, roxo e cinza, completam o que está além do entendimento. Contudo, o branco, completo, basta.

Além das cores, a vela era singular. Magia secular. Encanto milenar.

O mestre foi confundido com tanta coisa. Nem mesmo, resumiu-se mestre. 'Eu Sou' está além do entendimento humano. O que sou está além do que compreendo.

Estas eram as regras naquele terreiro.

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Conto Verdade - Cap I


Aos vinte e poucos fui diagnosticado como caso esquisofrênico. Em seguida, como bipolar. Ao trabalhar a espiritualidade, descobri que: 'O Banda, Sou'. O líder das próprias empreitadas. Cosmopensante, como diria a psicologia. No entanto, isto é espiritual. Sensibilidade conectiva. Comungo inúmeras entidades que trago como mestres e conselheiros nas próprias obras. Tudo iniciou na própria terra ancestral, expandido-se além das encruzilhadas. Onde firmo parcerias espirituais e assumo missões. Embora trago inúmeros orientadores (testemunhos ou conselheiros) aos próprios empreendimentos; Sou o orientador desta 'casa'.

"Embora temos projetos mais importantes que isto, é missão nossa vetar o álcool, fumo e substâncias químicas, dos nossos trabalhos. Muitos, dentre nós, fumam e bebem, e desejam ser livres destes hábitos. Assim como as saídas à noite. Priorizamos cultivar o hábito dos passeios ao Sol e atividades físicas. Somos os guerreiros que ajudam este 'Mestre' (o médium). Este é nosso dever" (ditado pelos guias da casa).

"Com uma dose no café, o mestre encerrou o álcool, à semana. Outras prioridades, vingar-se-ão segunda à sábado".

O novo cronograma incluía o versículo bíblico "Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu". Assim, os dias e horários foram divididos conforme as atividades. Este foi o primeiro dia.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Comprados


O diabo comprou a alma dos irmãos, e respectivos filhos, por terem pressa em conquistar objetivos. Facilitando as coisas, os clientes emergiram em banda. Indicações, contratações e ajudas diversas fluíram. Compraram-se carros, casas e viagens. Assim como alma dos irmãos ajudados na íntegra destas coisas, suas respectivas linhas e terra.

O 'Sim' foi adquirido em loja por uma sequência de nãos recebidos. Sem autorização ou consentimento. Quando o 'não beba' entrou na briga para equilibrar as forças, tudo mudou. Muitos esqueceram-se do que 'não tem preço', lembrando apenas o que tem 'valor' além do 'custo'.

O diabo servia aos porcos encomendados dizendo: "Não bebam, pois foram comprados por mim".

Com o golpe do martelo, os machados foram fundidos na espada. Santo Cam era testemunho.

Ao 'Que' vem em nome do 'Espírito', 'Eu Sou' é Honra e Glória.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Nas Encruzilhadas


Despachado com dois maços de cigarros, alguns baseados e uma garrafa de canha, Sancho encontrou-se na encruzilhada. Rossinante, que passava por perto, sentou praça para reclamar a cerveja. Ao vê-los desolados, cruzei-lhes o caminho, como a Maria Fumaça em meio às matas. 

- 'Licença Gurizada; Xirú não lê ditongo'.

Ao driblar as pipocas, avistei as velas e charutos. Ao recolher o dinheiro, Sancho e Rossinante seguiram-me até a oficina. O velho reclamava escambos na terra. Os índios estavam indignados. Apitos por ouro; espelhos por diamantes. Aproveitei-me, refazendo as escolhas.

- 'Feito o pacto, meu bruxo. E era isto'.

Com chá de fumaça, emergiram ao céu, além das nuvens. Ainda tocam as bandas do diabo. Embora gente boa e divina.

Na América, onde bebe-se chimarrão; Tupã os acolheu em Prossumers Land.