segunda-feira, 17 de setembro de 2018

O Mestre; À guerra ou à paz





Há bastante tempo, Jesus estava nas portas do processo seletivo para mestrado. Foram sete processos até ser selecionado. Jesus veio no jovem fiel que ora diariamente. Mas antes disto, foi negado inúmeras vezes.

Jesus, naquela vida, fumava e bebia. Havia sido deixado nas praças onde consumia o fumo com os amigos. Após cursar o master, largou o tabaco e o álcool.

A insistência no sonho em lecionar (ser mestre de fato), o fez continuar nas portas. Seu fumo foi devolvido. Sua bebida também. Embora tivesse guardado o tempo todo. Jesus estava agora dependendo da família que estava saturada desta história. Procurando oportunidade para realizar o respectivo sonho.

Nas encruzilhadas diziam que haviam lhe feito oferendas. Mas Jesus confirmou a única coisa que desejava daquele pessoal.

Em nova vida, O Mestre emergiu com justiça. Fazendo a seguinte pergunta: 'E se fosse vossos filhos, alunos e netos, pedindo oportunidade, quem lhes daria fumo ou álcool, e os deixaria no parque, porque fumam ou bebem. Que Deus seja justo desta vez. Jamais devolvi drogas a quem havia parado de usar'.

Se esta história é verdade, é o detalhe. A questão refere-se às oportunidades. Zi e Cam também estavam reunidos na questão. Dispostos a retribuir o que o pessoal vem fazendo ao Mestre. O Mestre afirmou a única coisa que quer daquele pessoal. 

No terreiro, os caboclos estavam prontos à guerra que o próprio mestre aceitou. Embora o Mestre tenha escolhido a paz. Que assim seja


sábado, 8 de setembro de 2018

Além da encruzilhada


Era quase meia noite. O Guerreiro andava pela Cidade Baixa. Estava impressionado como os jovens que usavam drogas nas ruas. Álcool, pó e fumo.

Ao passar pela encruzilhada, o diabo veio lhe falar - 'O que faz por aqui? Você disse que buscava uma vida melhor. Longe do álcool, bares e drogas. Se continuar assim, você será buscado'.

O Guerreiro assustado perguntou: 'O que houve? Sabes que defendo a vida longe dos bares, álcool e drogas'.

O diabo respondeu: 'Você é muito insistente nos objetivos. Há alguns ex-professores que se sentem incomodados com isto'.

Disse o diabo disse que haviam feito despachos aos excedentes. Fumo a quem fumava. Álcool a quem exagera no álcool. Drogas a quem se droga.

Então o guerreiro reclamou que isto é pecado grave. O diabo disse-lhe: 'Salve-se enquanto é tempo. Ou serás buscado a meia noite. Diferente disto, deixe trinta em seu lugar, e vá dormir. As seis horas, o Sol será buscado'

Após a conversa, o diabo respondeu que os tais professores haviam errado o tiro. O limão verde estava na Cidade Baixa. Em meio aos bares, álcool e drogas. Quando o guerreiro buscou a si e deixou trinta no lugar.

Os professores haviam acertado os respectivos filhos, alunos, parentes e amigos.

O Guerreiro foi para casa. Acordou às sete horas. Fez uma oração e uma leitura bíblica. Alguns jovens recém haviam ido dormir. Com isto, buscado em si, o Guerreiro ganha o Sol na aurora.

O diabo avisou-lhe: 'Afaste-se da noite. Este pessoal foi cobrado. Enquanto isto incidir. Enquanto fores o excedente, trinta deles serão buscados nas sextas e sábados na madrugada'.

O que dizer quando alguém pede oportunidade? Por ventura daria pedra a quem te pedir pão? E uma serpente a quem te pedir peixe?

Por isto estas coisas são do diabo. Jamais despache quem bebe ou fuma, pois, eventualmente, acertarás os teus.

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Às cores




João havia perdido a cor pois julgava-se o vermelho sem o branco. Nada sabia, salvo que as as cores estão no branco. Maria, também, pois pensou sair com o azul do branco. Contudo, bancos, encontram-se no raio. Ou na luz solar. Ambos ouvem o rugido e o trovão. A lei natural lhes encobre o retorno.

O guerreiro, o bruxo e o mago. Laranja, roxo e cinza, completam o que está além do entendimento. Contudo, o branco, completo, basta.

Além das cores, a vela era singular. Magia secular. Encanto milenar.

O mestre foi confundido com tanta coisa. Nem mesmo, resumiu-se mestre. 'Eu Sou' está além do entendimento humano. O que sou está além do que compreendo.

Estas eram as regras naquele terreiro.

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Conto Verdade - Cap I


Aos vinte e poucos fui diagnosticado como caso esquisofrênico. Em seguida, como bipolar. Ao trabalhar a espiritualidade, descobri que: 'O Banda, Sou'. O líder das próprias empreitadas. Cosmopensante, como diria a psicologia. No entanto, isto é espiritual. Sensibilidade conectiva. Comungo inúmeras entidades que trago como mestres e conselheiros nas próprias obras. Tudo iniciou na própria terra ancestral, expandido-se além das encruzilhadas. Onde firmo parcerias espirituais e assumo missões. Embora trago inúmeros orientadores (testemunhos ou conselheiros) aos próprios empreendimentos; Sou o orientador desta 'casa'.

"Embora temos projetos mais importantes que isto, é missão nossa vetar o álcool, fumo e substâncias químicas, dos nossos trabalhos. Muitos, dentre nós, fumam e bebem, e desejam ser livres destes hábitos. Assim como as saídas à noite. Priorizamos cultivar o hábito dos passeios ao Sol e atividades físicas. Somos os guerreiros que ajudam este 'Mestre' (o médium). Este é nosso dever" (ditado pelos guias da casa).

"Com uma dose no café, o mestre encerrou o álcool, à semana. Outras prioridades, vingar-se-ão segunda à sábado".

O novo cronograma incluía o versículo bíblico "Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu". Assim, os dias e horários foram divididos conforme as atividades. Este foi o primeiro dia.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Comprados


O diabo comprou a alma dos irmãos, e respectivos filhos, por terem pressa em conquistar objetivos. Facilitando as coisas, os clientes emergiram em banda. Indicações, contratações e ajudas diversas fluíram. Compraram-se carros, casas e viagens. Assim como alma dos irmãos ajudados na íntegra destas coisas, suas respectivas linhas e terra.

O 'Sim' foi adquirido em loja por uma sequência de nãos recebidos. Sem autorização ou consentimento. Quando o 'não beba' entrou na briga para equilibrar as forças, tudo mudou. Muitos esqueceram-se do que 'não tem preço', lembrando apenas o que tem 'valor' além do 'custo'.

O diabo servia aos porcos encomendados dizendo: "Não bebam, pois foram comprados por mim".

Com o golpe do martelo, os machados foram fundidos na espada. Santo Cam era testemunho.

Ao 'Que' vem em nome do 'Espírito', 'Eu Sou' é Honra e Glória.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Nas Encruzilhadas


Despachado com dois maços de cigarros, alguns baseados e uma garrafa de canha, Sancho encontrou-se na encruzilhada. Rossinante, que passava por perto, sentou praça para reclamar a cerveja. Ao vê-los desolados, cruzei-lhes o caminho, como a Maria Fumaça em meio às matas. 

- 'Licença Gurizada; Xirú não lê ditongo'.

Ao driblar as pipocas, avistei as velas e charutos. Ao recolher o dinheiro, Sancho e Rossinante seguiram-me até a oficina. O velho reclamava escambos na terra. Os índios estavam indignados. Apitos por ouro; espelhos por diamantes. Aproveitei-me, refazendo as escolhas.

- 'Feito o pacto, meu bruxo. E era isto'.

Com chá de fumaça, emergiram ao céu, além das nuvens. Ainda tocam as bandas do diabo. Embora gente boa e divina.

Na América, onde bebe-se chimarrão; Tupã os acolheu em Prossumers Land.


quinta-feira, 1 de março de 2018

Cap I - Navegar é preciso


DOS CABOCLOS

Na terra dos caboclos, o café estava sobre a mesa. Os trabalhos foram abertos enquanto o velho se despedia à longa jornada. Encaminhado, com rumo certo, deixou o fumo pelo caminho e foi posto para correr. Toda aurora, passando para deixar o recado. Avisos dados ao marujo - 'Navegar é preciso'.

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Quatro luas


QUATRO LUAS - GUARDE O BEIJO OU CABEÇA

Os caboclos estavam reunidos à sessão extraordinária. O Cacique havia despedido a faxineira que apressou-se em arrumar novos freelas. A faxineira, sentindo-se traída, procurou, justamente, pessoas que atuavam na mesma profissão, ou com cargos, e atividades, semelhantes as do interesse do Cacique. Maya era testemunha dos ocorridos. 

'Pense o que custa do meu filho e pergunte-se se fosse o teu' - Disse Maya - 'Tudo isto está de fora e foi reivindicado'. . 

As mães dos terreiros que o Cacique ajuda à distância estavam ligadas ao que seria a sessão para a realização das massagens diurnas. 

'O que está em jogo?' - Perguntou o Cacique. 

'Sua profissão, seu desejo como mestre e suas lutas marciais' - Respondeu o Caboclo, ao lançar as flechas.

'Subtraia dos teus o que encontra fora dos nossos' - Disse o Cacique, através dos fumaças do fumo, à faxineira que aprontava o café à visita. 

A faxineira havia sido proibida, quanto a prestar serviços, por quatro luas. Mas não aguentou nem os dias seguintes. Estava rifando a própria sorte após cuspir no prato. Era nada forte em dominar os impulsos.

Expulsa por Yemanjá, há bastante tempo, foi punida como cão, onde quer que andasse, desde então, por descumprir a exigência. O filho da faxineira tornou-se o cu dos terreiros. Teve a cabeça pedida que agora fala descolada do pescoço.

'Os inocentes sempre pagam pela displicência das mães' - Completou o Cacique - 'Mas ainda têm justiça, quando não revidam, até entenderem isto'.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Lobos Guardiões


LOBOS GUARDIÕES

Eram seis horas e os guardiões trocavam a guarda. Como na épica batalha entre Set e Hórus, o Grande Lobo Branco protegia a parte iluminada do globo assim como os quais lhe dedicavam esperanças e orações, enquanto o Lobo Negro, vigiava a noite em busca das almas devedoras.

Os pecadores devedores eram carregados enquanto dormiam. Salvo os quais estavam sob a proteção dos guardiões. Muitos foram levados; Alguns ainda tentam escapar.

'Aqui se deve; Aqui se paga' - Disse, o Lobo Noturno, enquanto os puxava pelas pernas, colocando-os sobre os ombros, completando a caça: 'Vamos'.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Somando-se ao Que



Pelejavam com justiça. Diante a lei e as próprias medidas. Sobre os fortes cavalos (Nenhum e Bobalhões), portando machados e livros onde a lei era escrita, (os Quais) eram chamados cães de guerra.

Zi estava por perto, quando, ao 'Que', perguntaram: 'O que você sabe?'

'Estou aqui para ajudar. Ajudo quem me ajuda. Esta é a lei'.